Tutorial para transmissão via SRT

Desvendando os segredos para transmissões de Streaming em SRT.

Criado pela canadense HAIVISION, o protocolo SRT vem conquistando adeptos por sua alta qualidade e baixa latência na transmissão de vídeos através da internet.
SRT é o acrônimo para SECURE RELIABLE TRANSPORT [TRANSPORTE SEGURO E CONFIÁVEL]. 

Temos recebido solicitações para a publicação de um artigo cobrindo o SRT, pois muitos usuários não conseguem estabelecer o link de transmissão devido à falta de tutoriais completos sobre o tema.
Todos os sistemas produzidos pela Videomart, incluindo a linha TVPLAY possuem suporte nativo ao protocolo SRT. 

Neste artigo você irá entender as múltiplas possibilidades de utilização do SRT. Para isto preparamos 6 cenários possíveis, abrangendo assim todas as situações e dificuldades encontradas no estabelecimento de links SRT. 

A compreensão dos cenários apresentados capacita o leitor a lidar com todos as situações em ambientes de redes corporativas e residenciais.
Link de transmissão é um enlace entre dois pontos que tem em um lado o transmissor [encoder] em outro o receptor [decoder]

Srt.png
Link.png

Basicamente é necessário configurar ambos os lados, encoder (TX) e decoder (RX) para estabelecer a conexão do link.
A configuração é realizada endereçando ambos os lados, utilizando uma sintaxe de conexão corretamente.
A sintaxe de conexão é uma frase (url) formada por “srt://ENDEREÇO_OU_IP: PORTA” e a seleção do parâmetro MODE que pode ser: CALLER, LISTENER ou RENDERZVOUS.
As dificuldades, muitas vezes encontradas para esta conexão são:
1- Há dois endereços: O do transmissor e o do receptor
2- Existem  3 modos de operação: Caller, Listener e Rendervous.
3- Em muitos casos uma ou ambas as pontas do link encontram-se atrás de um N.A.T. não tendo um IP Válido.

4- Muitas vezes não há um técnico na T.I. disponível para realizar o redirecionamento de portas necessários no roteador.

Por essas razões, quem precisa realizar transmissões com a qualidade proporcionada pelo SRT, precisa entender como funciona o protocolo. Desta forma estará preparado para contornar qualquer uma das dificuldades relatadas.
Para facilitar daqui para frente chamaremos Transmissor [encoder] de TX e Receptor [decoder] de RX.

Iniciamos com o cenário ideal, onde ambos os lados do link estão instalados com IP fixo e válido. Neste caso temos duas possibilidades de configuração:

CENÁRIO-1

Ambas as pontas do enlace possuem IP público.

1- Configurar no TX: IP do RX e o MODE para CALLER.
Configurar no RX: IP do RX e MODE= LISTENER.
Neste caso o TX aponta para o IP do RX em modo CALLER e o RX aponta para seu próprio IP em modo LISTENER.
2- Configurar no TX: IP do TX e o MODE para LISTENER.
Configurar no RX: IP do TX e MODE= CALLER.
Neste caso o TX aponta para seu próprio IP em modo LISTENER e o RX aponta para o IP do TX em modo CALLER

CENÁRIO-2

Apenas o lado RX do enlace possui IP público.

Neste cenário veremos um caso típico onde o TX está conectado a um roteador fazendo N.A.T. ou seja, sem IP público e o RX está em um IP público. Aqui a configuração é semelhante ao caso 1 do exemplo anterior, onde ambos os lados tinham IP público.  Solução para este caso:

Configurar no TX: IP do RX e o MODE para CALLER.
Configurar no RX: IP do RX e MODE= LISTENER.
Neste caso o TX aponta para o IP do RX em modo CALLER e o RX aponta para seu próprio IP em modo LISTENER.

CENÁRIO-3

Apenas o lado TX do enlace possui IP público.

Apresentamos agora uma inversão do exemplo anterior. Agora o TX tem IP público e o RX conectado a um roteador fazendo N.A.T. portanto sem IP público. Aqui a situação é semelhante ao caso 2 do primeiro exemplo

Configurar no TX: IP do TX e o MODE para LISTENER.
Configurar no RX: IP do TX e MODE= CALLER.
Neste caso o TX aponta para seu próprio IP em modo LISTENER e o RX aponta para o IP do TX em modo CALLER.

CENÁRIO-4

Nenhum dos lados do link possui IP público 

Esta é uma situação típica onde ambos os lados, TX e RX estão conectados a um roteador fazendo N.A.T. Neste cenário nenhum dos lados possui IP público. Aqui será necessário redirecionar a porta utilizada no link para o IP local no roteador conectado ao RX.

Configurar no TX: IP público do RX e o MODE para CALLER.
Configurar no RX: IP do RX e MODE= LISTENER.
Neste caso o TX aponta para o IP do RX em modo CALLER e o RX aponta para seu próprio IP em modo LISTENER.
OBS. Para obter o IP público do RX consulte o site como www.meuip.com.br.

CENÁRIO-5

Nenhum dos lados do link possui IP público 

Neste exemplo temos uma situação idêntica ao cenário 4 porém aqui faremos o redirecionamento de porta no roteador instalado no lado TX.

Configurar no TX: IP público do TX e o MODE para LISTENER.
Configurar no RX: IP público do TX e MODE= CALLER.
Neste caso o TX aponta para seu próprio IP em modo LISTENER e o RX aponta para o IP do TX em modo CALLER

OBS. Para obter o IP público do TX consulte o site como www.meuip.com.br.

CENÁRIO-6

Nenhum dos lados possui IP público nem acesso ao roteador.

Este cenário é importantíssimo pois possibilita a conexão quando os dois lados estão conectados através de roteadores que realizam N.A.T. sem a necessidade de configuração dos roteadores. Neste caso iremos utilizar o MODE RENDERVOUS (ponto de encontro marcado).
A característica deste modo de operação é que cada lado aponta para o endereço IP público do outro lado.
Configurar no TX: IP público do RX e o MODE para RENDERVOUS.
Configurar no RX: IP público do TX e MODE= RENDERVOUS.
Neste caso o TX aponta o IP público do RX em modo RENDERVOUS e o RX aponta para o IP público do TX em modo RENDERVOUS

OBS. Para obter o IP público do RX e TX consulte o site como www.meuip.com.br.

Concluímos assim a abordagem de todos os casos possíveis de dificuldades encontradas ao fazer o setup de um link SRT.